Archive for 2013




 

Material para estudos - Ditadura Militar - 9º ano

Comments : 2
Posted: segunda-feira, 4 de novembro de 2013
http://www.youtube.com/v/jXRkJ6m01MQ?version=3&autohide=1&feature=share&autoplay=1&attribution_tag=ghpPRRzs7TbfzNEfmag0vA&showinfo=1&autohide=1

Brasil: O museu da tortura

Comments : 0



TRÁFICO NEGREIRO PARA AS AMÉRICAS...

Comments : 0

Documentário sobre ÁFRICA

Comments : 0
Posted: sexta-feira, 11 de outubro de 2013
Para inaugurar um novo tempo em nosso blog, publicaremos a partir de hoje, contribuições de alunos que estiverem interessados em divulgar textos reflexivos sobre assuntos relacionados à História, vida social, cotidiano escolar, política, poesia e outros temas que tenham despertado seu interesse e que queiram compartilhar com a comunidade escolar do Colégio Cramer. 

A primeira contribuição recebida, foi da aluna Anabelle do 6º ano. 

Ela enviou uma espécie de banner, com reflexões políticas e relacionadas à cidadania. Ficou perfeito. 

Agradeço a participação e a iniciativa, que demonstra que nossos adolescentes estão amadurecendo e muito mais que isso, estão se conscientizando da importância de sua participação como cidadão brasileiro, com objetivos muito claros de transformação e reconstrução da nossa nação!!! Obrigada Anabelle, você me enche  de orgulho!!!



Nova geração - Novo Mundo

Comments : 0
Posted: quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Império Romano

Comments : 0
Posted: sexta-feira, 4 de outubro de 2013
Após a segunda guerra, o período da guerra fria, favoreceu a evolução de tecnologias avançadíssimas ao passo que as duas grandes potências mundiais, Estados Unidos e URSS, rivalizando-se em terra, rivalizaram-se também no espaço, promovendo até mesmo a chegada do homem à lua (fato discutível até hoje se real ou fraude ) mas que representou uma guerra travada  entre dois blocos –capitalistas e socialistas – e que ironicamente, aproveitaram até mesmo cientistas alemães nazistas para o incremento desta empreitada e que diga-se de  passagem, nos contemplou com a internet, o boom do milênio, já no final dos anos 90, século XX.


Alunos do 9º ano, leiam o texto abaixo e redijam comentários sobre o impacto positivo e o negativo nas sociedades humanas, a partir do avanço tecnológico com o fim da II Guerra Mundial. Valor: 3 pontos extras. 


Todos os inventos, principalmente do século XIX até nosso século, foram de grande utilidade atendendo grande necessidade.  
Ainda no século XV, a imprensa foi mais um marco na  evolução tecnológica,  do ponto de vista intelectual também. Antes dela, o conhecimento era limitado à líderes religiosos, políticos e a manipulação das informações era um instrumento de grande poder, o que dominava as massas e as fazia subservientes, por falta de conhecimento. Mas com as máquinas gráficas de reprodução impressa, tudo se transforma e a possibilidade de conhecimento deixa de ser monopólio de tão poucos.

A partir da imprensa, as idéias e a consciência se formaram por novos conceitos, permitindo o acesso de grande parte da população à questões que antes lhes eram limitadas e restritas em relação a religião, política, sociedade, ciência.

Caminhando mais adiante,  na metade do século XIX, cientistas alemães, ingleses e italianos, se interessaram por teorias que provavam a existência de ondas eletromagnéticas. E  no final daquele século, a industrialização de equipamentos radiotelegráficos já era uma realidade.

o impacto das tecnologias - a Nova Ordem Mundial

Comments : 2
Posted: quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Agradecimentos especiais: 

À Escola Municipal Maria da Glória, Diretora Maria de Fátima e professora Cibele Fernandes da Cunha, pelos figurinos utilizados nas apresentações. 

BRASIL MULTICOLORIDO - 6º ANO

Comments : 0
Posted: domingo, 22 de setembro de 2013
Alunos, 

Como todos sabem, todo dia 07 de setembro, comemora-se mais um ano da independência política de nosso país. 

Este ano de maneira especial, em virtude das manifestações que ocorreram em junho, onde milhares de pessoas saíram às ruas movidas por vários sentimentos de inconformismo, insatisfação e revolta, mas também, após tantos anos,  por sentimento nacional, pudemos perceber através das frases surgidas entre gritos e aclamações por justiça social,  que o povo  brasileiro sente-se parte original  de uma nação que foi construída sob uma colonização predatória, outrora sob uma República excludente rompida por uma ditadura militar, mas que não obstante, vem se reconstruindo sob a  Democracia que é uma de nossas maiores conquistas, apesar de tantas falhas e desmandos de nossos representantes. 

Estamos completando 191 anos de soberania e independência política.

Abaixo a história do hino da independência, composto por alguém  antes mesmo da formalização do ato, demonstrando a esperança do brasileiro quanto soberania e autodeterminação de seu país. 


Ao ser composto,

História do Hino da Independência do Brasil...

Comments : 0
Posted: quinta-feira, 5 de setembro de 2013
AOS ALUNOS DO 9º ANO:


SEGUE ABAIXO DOCUMENTÁRIO DO PROFESSOR HISTORIADOR BORIS FAUSTO.  ASSISTAM AO VÍDEO E FAÇAM COMENTÁRIOS A RESPEITO DA SITUAÇÃO DO PAÍS DURANTE O PERÍODO VARGAS QUE VAI DE 1930 A 1945, IDENTIFICANDO A TRÊS FASES: 

GOVERNO PROVISÓRIO: 1930 A 1934


CONSTITUCIONALISTA: 1934 A 1937



ESTADO NOVO: 1937 A 1945


OS COMENTÁRIOS DEVERÃO RESPEITAR A SEGUINTE ORDEM: 


  • SITUAÇÃO POLÍTICA : 
  • SITUAÇÃO SOCIAL: 
  • SITUAÇÃO ECONÔMICA: 


os comentários serão avaliados e postados. 



A ERA VARGAS - POR BORIS FAUSTO

Comments : 6
Posted: quinta-feira, 22 de agosto de 2013







Excursão à Ouro Preto com a inesquecível turma do 1º ano ensino médio / 2012

Comments : 0
Posted: sexta-feira, 16 de agosto de 2013



I Exposição de objetos antigos do Colégio Cramer - turma do 6º ano

Comments : 0

              A Cultura do"fazer errado"...


Estava analisando o comportamento dos jovens alunos do ensino médio de uma escola pública, turno da tarde, horário em que leciono. A escola é de periferia, situada em uma área de risco. Não muito diferente da maioria das escolas públicas. Possui os vidros quebrados (que não são de vidro, são de acrílico), muitas cadeiras e carteiras inutilizadas, enfim, aquele cenário que  todos bem conhecem há anos.  E neste cenário um tanto quanto inquietante, surge a figura do aluno. 


Parei com tudo e me pus a observar o comportamento destes jovens que, limitados em seu mundo real, sobrevivem à custa das fantasias criadas por nossos “belos” programas de tv aberta, novelas, “malhações” e  outros “lixos midiáticos” que compõem o universo da grande massa. Conclui que a “coisa” está pior do que imaginávamos. Não estou sendo fatalista, apenas realista.

Muitos especialistas se reúnem em seminários infindáveis, criando projetos de inclusão para estes jovens do ensino público, tentando encontrar alternativas que promovam uma mudança na realidade deste “sistema educacional” que há anos foi sucateado e vem sobrevivendo camuflado por estatísticas que alimentam uma farsa muito mal elaborada pelo governo. Mas,  minha reflexão não se refere ao ensino público porque é tudo muito óbvio e críticas são infinitas. Neste caso, me refiro ao aluno. Este ser que tem sido o “centro” dos trabalhos desenvolvidos na área da educação em Minas Gerais.

De duas décadas pra cá, a figura do aluno se resume a um ser que faz parte de um processo que pretensiosamente, se dá o nome de educacional. Um ser que recebe informações, que figura em projetos muito bem intencionados, que se alimenta da merenda, que anda pelos corredores, povoa as salas de aula e termina um ciclo anual figurando como mais um na estatística do governo. Pronto pra mais outra. E vai caminhando neste ritimo até concluir o ensino médio.

Mas eu tenho visto este ser de outra maneira. Tenho visto um ser  que segue seu curso, obedecendo direitinho o que lhe é imposto pelo sistema de um modo geral. Não o vejo como indisciplinado, bagunceiro, baderneiro... Mesmo que quebrem carteiras ou vidros. Também não o vejo como inculto, pelo fato da  maioria chegar ao ensino médio sem sequer saber interpretar um texto ou até mesmo escreve-lo ou copiá-lo. Mal sabem as regras básicas da matemática!

Não... Observando assim de perto, seus modos, sua fala, sua visão de mundo... eu percebo que ele está muito bem treinado pelo sistema. E que este sistema alcançou seu objetivo. Percebo que ele é exatamente o produto e vou além...é produto de nossa cultura da forma mais abrangente possível. Ele é perfeito. É exatamente o que queriam que ele fosse.

Sua fala,  suas roupas, suas preferências, tudo é exatamente como o sistema quer que seja. Ele entra e sai da sala quantas vezes quiser. Licença é uma palavra que não existe em seu vocabulário. E desculpa? Ah, esta então eles nem se lembram como pronuncia. Mas sabem tanta coisa...tanta! Reproduzem prontamente as canções mais badaladas  do funk ,  aquele em que além de despejar 83 palavrões a cada minuto de música, faz apologia a sexo sem compromisso, infidelidade, promiscuidade, drogas, crimes... E sequer sabem o que significa cidadania, política, direitos e principalmente: deveres.

Mas não quero fazer parte daquele grupo de professores que só criticam alunos de escola pública, ou o ensino público. Porque aluno é aluno na rede pública e privada e têm mais em comum do que se possa imaginar.

Por exemplo, a visão que têm da escola. Tanto um quanto outro, foram treinados  pelo sistema e pelos programas de tv aberta a enxergarem a escola como um espaço social, de diversão, lazer, um local para liberar tudo o que provavelmente não libera em casa, ou em outros locais menos “permissivos”.

A escola é vista  como um playground onde se encontram pra “zoar”, trocam músicas, riem sem pudor dos defeitos dos outros, quebram o que não se pode quebrar em casa...

E o professor? Ah, é visto... melhor... não é visto.
Na escola pública o professor se transformou na figura exata que o sistema deseja: o ser invisível. Ele consegue entrar na sala, falar, escrever no quadro, fazer chamada...e sequer é notado!!!

E na rede particular... ele é o “ser ou não ser...eis a questão”. Se for legal, a “gente gosta e faz (mal feito)  mas se não for, a gente desgosta e finge que faz... que é pra ele se sentir como o invisível da escola pública.

Depois de tanta reflexão concluo que o problema é a cultura. Estamos sob a cultura do “fazer errado”. Tudo o que era tido como errado, prejudicial, enfim, malfeito há alguns anos, se transformou em regra nos dias de hoje.

O próprio sistema de ensino, as leis, o governo, a família, a mídia de modo geral trabalha para que o “fazer errado” se perpetue como o certo...já que o errado neste caso se esconde atrás de termos como “evolução”, “progresso”, “nova era”, “globalização”...etc.

A educação está em mutação há anos...e creio, está chegando no estágio final deste processo. Passamos mais tempo fora da sala do que antes...envolvidos em projetos que não compreendem o contexto social real do aluno. Escrever corretamente, dominar as questões básicas das ciências, formar cidadãos críticos não são mais prioridade.

Prioridade são as estatísticas, os números que alimentam as farsas da “educação”. O resto, aquilo em que experimentamos na nossa infância em sala de aula: a autoridade do professor, a qualidade do ensino, a participação da família no processo do ensino,  o espaço escolar formal...tudo isso é coisa de gente velha, chata e que não acompanha a evolução e o progresso da humanidade.

Agora, onde iremos parar com tudo isso... eu já refleti também. Mas fica pra uma próxima, porque não quero ter nem provocar pesadelos ...por enquanto. Só por enquanto.
Comments : 0
Posted: quarta-feira, 14 de agosto de 2013

En imágenes: Pese a que juega su selección, brasileños rodean el Castelao
Muito se tem comentado na mídia formal, na mídia informal (sites de relacionamentos), nas ruas, em casa, nas escolas, enfim, em todos os lugares, sobre os movimentos que tomaram conta do Brasil no mês de Junho deste ano. 

Após anos e anos de passividade, experimentamos um  momento de grandes manifestações nas principais capitais do país. 


Este texto é uma reflexão crítica sobre o acontecimento que marca definitivamente, a história de nosso país. Leia-o e teça comentários a respeito. 

Não precisa ser cientista político pra compreender a dimensão que tomou as manifestações pelo “passe livre”.

É só você fazer uma pequena retrospectiva política de nossa história. Se voltarmos à Primeira República e fizermos uma recomposição do processo histórico que culminou em nossa “democracia” perceberemos que as rupturas de 1930 com Getúlio (apesar da CLT) , 1964 e 1985, na realidade, foi uma espécie de mudança de cenário, com personagens diferentes mas enredos muito parecidos, principalmente no que diz respeito a questões sociais, que estão em evidência nas manifestações de agora.

Foi promulgada em 1988 a “Constituição Cidadã”, a qual prometia-nos uma vida melhor, com dignidade e garantia de nossos direitos sociais, civis e políticos. Uma esperança... que se desfez ao longo destes quase trinta anos.

Na era “Collor”, ocorreu uma espécie de espetáculo bem orquestrado, com direito a protagonista e coadjuvantes das mais diversas categorias...e a mídia atuou como produtora... levando ao delírio por alguns dias, uma massa de manobrados, sublevados pela perspectiva de mudança...que não aconteceu.

A era Itamar , foi uma espécie de “tapume”. Após anos de arrocho, descontrole da inflação e muito sofrimento, eis que um plano econômico surge como a salvação para a economia de um país sucateado por anos e anos de corrupção, desgoverno e negligência para com seu povo. Durou pouco.

Chega FHC e toma o papel de protagonista, em um cenário que  inicialmente atua como o bom mediador entre a economia e o IDH... mas logo em seguida, mostrou que o “desenvolvimento humano” não era prioridade, frente  a possibilidade de transformar o Brasil , no Brazil dos sonhos de uma minoria elitizada, excludente e com pouca disposição para “Latinos”.


Vem Lula... ahhh Lula... apostamos  tanto em você. Acreditamos  que a “ruptura” agora aconteceria, pois como líder  genuíno de movimentos de operários, trabalhadores e organizações civis fortíssimas em um período tão conturbado de nossa política, sua equipe e seu partido conseguiriam romper com as algemas do continuísmo, do entreguismo. O que experimentamos foi um momento de empolgação, onde o crédito fácil, as políticas sociais e o controle da inflação, nos tiraram de uma estagnação, para um movimento curto, lento, mas movimento.

E agora Dilma. Mulher, representante da luta em tempos de censura, de coerção, de ausência de direitos políticos. Vem Dilma, nas costas de Lula, prometendo continuísmo...exatamente o que não queríamos...exatamente o que nos oprime, nos angustia e nos dá este nó na garganta que agora, explode em forma de protestos sem lideranças... protestos espontâneos, cheios de mágoas, de rejeição, de inconformismo.

E os parlamentares? Qual o papel deles nesta trajetória? O poder Executivo sabemos... sempre foi nosso alvo. Mas e os parlamentares?

Estamos tão viciados ao continuísmo, que até mesmo nossa indignação não os atinge. Não os toca...porque estão blindados por esta cultura ...a cultura do continuísmo.

Caem presidentes, fecham parlamentos. Redemocratiza. Permanecem. São imutáveis.

Até quando agiremos como “guardiões” do parlamento brasileiro? Até quando permitiremos que estes indivíduos que já demonstraram um profundo desprezo por nossa nação, atuem de forma arbitrária, com medidas, projetos, ações que só os beneficia em detrimento da maioria da população flagelada e desgastada por tanto desprezo?

É hora de pensar. Chega de golpes, chega de deposições... chega de quedas.

Precisamos urgentemente de RUPTURAS...



Pense nisso!!!

a questão do "Passe livre" ou a "Revolução dos R$ 0,20"

Comments : 0
Posted: sexta-feira, 12 de julho de 2013
Alunos do 9º ano. 

Esta atividade deverá ser feita até o dia 19/04/2013. Após esta data, esta postagem estará fechada para comentários, os quais serão TODOS avaliados! Bom trabalho: 

Você estudou sobre o IMPERIALISMO, PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL E REVOLUÇÃO RUSSA. 

a partir do vídeo que você irá assistir abaixo, você deverá elaborar um texto em no mínimo 10 linhas, fazendo uma ASSOCIAÇÃO CORRETA destes fatos históricos, considerando o contexto, as implicações políticas, econômicas e sociais. Valor: 2 pontos: 




Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa - século XX

Comments : 21
Posted: segunda-feira, 25 de março de 2013
Sejam bem vindos queridos alunos do 6º, 7º e 9º anos do ensino fundamental do Colégio Cramer!!!

Estamos iniciando mais um ano letivo e espero que estejam todos muito bem dispostos à encarar esta jornada, com interesse, participação e acima de tudo excelente aproveitamento de todas as disciplinas a serem estudadas...

No que se refere a HISTÓRIA, trabalharemos neste blog, como atividade complementar. Espero que todos participem dos comentários dos textos e vídeos que serão postados, pois serão essenciais para a compreensão dos conteúdos a serem ministrados em sala de aula. 

o Primeiro trabalho virtual neste ambiente, será o link abaixo. Acessem, leiam o texto que já foi comentado em sala de aula e façam comentários sobre o que compreenderam do assunto. Deixem o nome e a turma para que eu possa assinalar sua participação no trabalho. 

boa leitura!!!

Prof. Marcia.

Evolução Tecnológica...
Comments : 0
Posted: sábado, 9 de fevereiro de 2013
>
<

Quem sou eu

Minha foto
Instituição de Ensino da rede privada em Santa Luzia/MG, em conexão com a Rede Pitágoras.
Tecnologia do Blogger.
Loading...

Seguidores

Postagens populares

- Copyright © 2013 COLÉGIO CRAMER - DJogzs - Powered by Blogger - Designed by Fêh-Chan -